Quem libertou os hebreus da escravidão do Egito?

Perguntado por: aribeiro . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.2 / 5 11 votos . 9 colaboradores . 1387 visualizações

A Bíblia diz que Moisés foi escolhido por Deus para liderar a saída dos hebreus do Egito, onde eram escravos, rumo à terra prometida de Canaã.

Ramsés II (o Grande) foi um faraó egípcio, permanecendo no trono entre os anos de 1279 a 1213 a. C.

É certo que o período de cativeiro "em Babilónia" terminou no primeiro ano de reinado de Ciro II (538/537 a.C.) após a conquista persa da cidade de Babilónia (538 a.C.).

Além disso, Jeremias profetizou que Judá serviria a Babilônia por setenta anos, quando então outro reino conquistaria a Babilônia. O restante do capítulo é sobre a destruição de outras nações iníquas.

O termo Hicsos (corruptela grega) deriva do egípcio hekau khaswt, cujo significado é "senhores de terras estrangeiras". Abrangia não apenas um povo ou uma origem mas todo o conjunto de populações estrangeiras que se estabeleceram no Egito, principalmente, no Delta, a partir do fim Império Médio, mais concretamente c.

São conhecidos pelo nome de hicsos um grupo misto semita-asiático que se estabeleceu no norte do Egito durante o século XVIII a.C. Por volta de 1630 a.C., tomaram o poder, e seus reis governaram o Egito como a décima quinta dinastia (c. 1630-1521 a.C.).

Reflete-se sobre o cativeiro do povo judeu na Babilônia, que teria durado cerca de setenta anos, segundo a Bíblia, tendo por recorte temático a escravidão, dotada de significado diverso na Antiguidade.

Cercado durante alguns meses, Nabucodonosor II resolveu apoderar-se de Jerusalém pela terceira vez, dando origem à terceira e última deportação de judeus para a Babilónia (586).

Jeremias nasceu em uma família de sacerdotes e pregou ao reino do sul (Judá) por aproximadamente 40 anos, e “pregou contra a idolatria e a imoralidade” (Guia para Estudo das Escrituras, “Jeremias”).

Ezequiel profetizou e proferiu as palavras do Senhor aos judeus exilados na Babilônia na mesma época em que Jeremias estava profetizando em Judá e Daniel estava profetizando na corte dos babilônicos.

O rei Acaz reinou Judá entre os anos 736 a 7l6 anos antes do nascimento de Jesus. Em outras palavras, é o fim do século VIII a.C. O governo de Acaz estava medroso diante das pressões internacionais (Is 7,1-9).

Por volta de 1750 a.C., o Egito sofreu a invasão dos hicsos (povos nômades vindos da Ásia), que penetraram na região pelo istmo de Suez, instalando-se no delta do Nilo. Eles dominaram completamente o território egípcio e reinaram por quase dois séculos, deixando os faraós encarcerados na cidade de Tebas.

Amósis I

O Novo Império (1580 - 662 a.C.)
A dominação pelos hicsos levou a um impulso militarista pelo faraó Amósis I, que resultou na expulsão dos hicsos do território egípcio e na escravização dos hebreus.

Conforme levantado por alguns pesquisadores, a chegada dos hicsos se deu por conta da rigorosa seca que tomava conta de seu lugar de origem. Dessa forma, podemos concluir que este povo se deslocou até o nordeste da África com o intuito de usufruir das ricas terras e grandes mananciais disponíveis.

Menes

A tradição aponta Menes como o primeiro faraó do Egito Antigo, o qual teria sido responsável por unificar o reino dividido, o que teria acontecido por volta de 3.100 a.C., embora haja suspeita entre os historiadores da existência de uma linhagem anterior.

Conheça os 5 maiores faraós do Egito

  • Hatshepsut (1507-1458 AEC)
  • Tutmés III (1481-1425 AEC)
  • Ramsés II (1303-1213 AEC)
  • Amenhotep III (1391-1353 AEC)
  • Tutancâmon, o faraó menino. (1341-1323 AEC)

O poder era passado de pai para filho, mas as intrigas da corte poderiam interromper a linha de sucessão favorecendo parentes e até as famílias nobres. Como lideraram o Egito durante mais de 3000 anos é evidente que seu cotidiano variou.

Foi nesse contexto que os Hicsos, povo de origem asiática, ocuparam a região norte do Egito, bem próximo ao delta do Rio Nilo, em busca de alimentos, pois de acordo com certos historiadores o território que habitavam estava passando por uma rigorosa seca.

Hicsos mostraram-se superiores militarmente, usando cavalos (desconhecidos para egípcios) para puxar carros de combate e armas de bronze. Assim dominaram o norte do Egito, estabelecendo a capital em Ávaris, permanecendo lá por volta 170 anos.

A capital passou a ser Tebas. Nesse período, conquistas territoriais trouxeram prosperidade econômica. Mas algumas agitações internas voltariam a enfraquecer o império, o que possibilitou, por volta de 1750 a.C., a invasão dos hicsos, povo nômade de origem asiática. Os hicsos permaneceram no Egito cerca de 170 anos.