Qual dos ossos a seguir é aquele que possui a fossa do olecrano?

Perguntado por: bgarcia . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.9 / 5 11 votos . 3 colaboradores . 1242 visualizações

Alternativa correta: E) Úmero.

A fossa do olécrano é uma área profunda na superfície posterior, superior à tróclea. Na extensão do cotovelo, a ponta do processo do olécrano da ulna se aloja nessa fossa.

Todo osso longo é formado por duas extremidades denominadas epífises e por uma porção central denominada diáfise ou corpo do osso. As epífises são formadas por uma camada delgada de osso compacto externamente e é ocupado totalmente por osso trabeculado ou esponjoso internamente.

O úmero (osso do braço), o maior osso do membro superior, como osso longo, possui duas extremidades ou epífises (proximal e distal) e uma diáfise ou corpo, sua parte central.

O úmero é um osso longo e o maior do membro superior que se localiza no braço, articulando com a escápula, o rádio e com o cúbito, através das articulações do ombro e do cotovelo, apresentando na sua anatomia duas epífises, a proximal e a distal, e uma diáfise constituídas por dezasseis acidentes anatómicos.

A fossa cubital é uma área ou depressão de formato triangular situada na superfície ventral do antebraço, que contém importantes estruturas neurovasculares. Ela possui três bordas, sendo uma superior (também chamada de base), uma medial e uma lateral, um ápice que se dirige inferiormente, um assoalho e um teto.

[ Anatomia ] Cavidade ou depressão do organismo animal, geralmente com a abertura mais larga que o fundo (ex.: fossa ilíaca).

úmero

O epicôndilo medial do úmero é uma eminência localizada na extremidade distal do úmero, próximo à articulação desse osso com a ulna.

A fossa temporal é uma depressão na região temporal, e um dos maiores marcos anatômicos do crânio. O osso temporal, o osso esfenoide, o osso parietal e o osso frontal contribuem para a sua parede côncava. Ela localiza-se superiormente à fossa infratemporal, que está localizada abaixo do arco zigomático.

Ossos Longos
Eles têm o comprimento maior do que a largura e a espessura. Os ossos longos apresentam duas extremidades: as epífises; além de um corpo, a diáfise, que apresenta o canal medular no seu interior (por isso também os ossos longos são chamados de tubulares).

O que é Fratura do Úmero
Chamamos fratura do úmero àquela que ocorre em qualquer parte deste osso. Portanto, pode ser desde o cotovelo até o ombro. A dor característica desta lesão pode estar localizada, igualmente, desde o cotovelo e atrapalhando funções de dobrar e esticar até o ombro.

Úmero

  • Epífise Proximal. Cabeça do Úmero – Articula-se com a cavidade glenóide da escápula. Tubérculo Maior – Situa-se lateralmente à cabeça e ao tubérculo menor. ...
  • Epífise Distal. Tróclea – Semelhante a um carretel. ...
  • Diáfise. Tuberosidade Deltoídea – Elevação triangular áspera para inserção do músculo deltóide.

No corpo desse osso estão presentes dois acidentes anatômicos importantes:

  • Sulco do nervo radial: por onde passam o nervo radial e a artéria braquial, localizado na porção posterior do osso; e.
  • Tuberosidade do músculo deltoide: estrutura na qual se fixa o deltoide, um importante músculo do membro superior.

músculo supraespinhal

O músculo supraespinhal ou supra-espinhoso é um dos menores músculos do manguito rotador. Ele é inervado pelo nervo supraescapular, a partir de C4 a C6. Tem origem medialmente na fossa supraespinhal da escápula e se insere no tubérculo maior do úmero. É o principal músculo atuante na abdução ou elevação do ombro.

Entre a cavidade glenóide da escápula e a cabeça do úmero . Classificação morfológica: sinovial esferóide. Classificação funcional: triaxial.

O colo cirúrgico do úmero é um estreitamento logo abaixo do tubérculo maior e tubérculo menor do úmero. O colo cirúrgico do úmero é a região que sofre fraturas mais frequentemente quando comparado ao colo anatômico do úmero.

A artéria ulnar ou artéria cubital (antiga nomenclatura) é o ramo terminal externo da artéria humeral quando esta se divide a nível da prega do cotovelo. Termina no arco palmar superficial, para cuja formação colabora também o ramo superficial da artéria radial. É palpável na face anterior e externa do pulso.

Veia cubital mediana, na anatomia humana, é uma veia superficial do membro superior. Ela conecta a veia basílica e a veia cefálica e freqüentemente é utilizada para punção venosa. Ela repousa na fossa cubital superficial à aponeurose do músculo bíceps braquial.

O nervo ulnar é um dos três principais nervos que saem da coluna e vão até a mão. Anatomicamente ele corre pela porção interna do braço e passa atrás do cotovelo num sulco ósseo, atrás de uma saliência chamada de epicôndilo medial. Nesse local ele pode ser facilmente palpado abaixo da pele, como uma corda.

Forames e fissuras da fossa craniana anterior
Encontra-se no osso frontal, anterior ao osso etmoide. Permite a passagem de uma veia emissária que vem da cavidade nasal e drena para o seio sagital superior, que é parte do sistema de drenagem venosa do encéfalo.