Quais vacinas devem ser mantidas em dia pelo profissional da saúde?

Perguntado por: anogueira . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.4 / 5 2 votos . 7 colaboradores . 608 visualizações

Dentre as vacinas recomendadas para os profissionais da área da saúde estão: vacinas contra hepatite A e B, contra difteria, tétano e coqueluche, varicela, influenza, antimeningocócica C conjugada e tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola).

Segundo o Ministério da Saúde, a partir dos 20 anos você precisa se vacinar ao menos contra sarampo, caxumba, rubéola, hepatite B, febre amarela, difteria e tétano.

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a COVID-19 do Ministério da Saúde deixa claro, no Anexo II, que os Profissionais de Educação Física estão inclusos junto às demais profissões regulamentadas da área da saúde entre os trabalhadores de saúde como grupo prioritário.

A vacina tríplice viral está contraindicada nas seguintes situações:

  • Mulheres grávidas;
  • Pessoas com doenças que afetem o sistema imunológico, como HIV ou câncer, por exemplo;
  • Pessoas com histórico de alergia à Neomicina ou a algum dos componentes da fórmula.

A vacina contra a hepatite B é a forma de prevenção mais eficaz de evitar a contaminação pelo vírus da hepatite B e, consequentemente, de o transmitir para o bebê, por isso, todas as grávidas que não receberam a vacina devem tomá-la antes de engravidar.

Esclarecemos que, segundo orientações do Ministério da Saúde, como regra geral, todas as vacinas recomendadas rotineiramente podem ser aplicadas no mesmo dia, exceto as vacinas tríplice viral (Sarampo, caxumba e rubéola) ou tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) que não devem ser aplicadas simultaneamente à ...

Vacinas pela via subcutânea (SC)
Aplica-se geralmente na face externa superior do braço (região do tríceps, em adultos) ou face anterior da coxa, em bebês ou crianças. Vacinas aplicadas por essa via incluem a febre amarela, varicela (catapora), tríplice viral (SRC) e a tetraviral (SRC-V).

Os profissionais de Saúde devem apresentar documento do Conselho de Classe ou comprovante de profissão (certificado ou diploma) e também um comprovante de residência ou de vínculo empregatício da cidade de São Paulo. Os estagiários precisam estar cursando o último ano do curso profissional.

Assim, passam a ser elegíveis para a vacinação a partir desta quarta-feira (17): Trabalhadores da Saúde dos hospitais públicos municipais e estaduais; Trabalhadores da Saúde da Rede de Atenção à Saúde Municipal (Secretaria Municipal da Saúde, Coordenadorias Regionais de Saúde, e Supervisão Técnica de Saúde);

Em 16 de dezembro de 2020, o Ministério da Saúde lançou o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, em que as/os trabalhadoras/es da saúde aparecem como grupo prioritário na imunização, citando as/os psicólogas/os neste enquadramento.

A recomendação atual é adiar a vacinação para os pacientes que apresentarem febre ou sintomas respiratórios no dia da aplicação até sua recuperação total. Além de que pessoas com sintomas respiratórios não devem circular até que estejam plenamente recuperadas, assim evitando a propagação de doenças.

Quem não deve tomar
As vacinas tríplice viral e tetra viral são contraindicadas nas seguintes situações: Anafilaxia à dose anterior da vacina; Crianças menores de 5 anos de idade com imunodepressão grave (LT-CD4+<15%) por pelo menos 6 meses, ou com sintomatologia grave; Gestação.

1 — Vacina contra hepatite B: Quem deve tomar? Todos que desejam proteger-se da doença. No Brasil a vacina contra Hepatite B está disponível gratuitamente para toda população, ao nascer até 49 anos.

Quem já teve contato com o vírus da hepatite B, independente de ter se curado sozinho ou ainda ter o vírus circulando pelo corpo, não tem indicação de tomar a vacina, pois não lhe trará beneficio algum.

É possível contrair hepatite b mesmo sendo vacinado? Após a vacinação é necessário dosar o Anti-HBs. Se este anticorpo estiver positivo (>10), o risco de contrair a infecção é mínimo (praticamente nulo), pois a vacina confere imunidade a todos os genótipos do vírus B atualmente conhecidos.

Algumas das vacinas aprovadas exigem que as pessoas tomem uma segunda dose depois de certo período. Tomar essa segunda dose na data recomendada fortalece a resposta imune do seu corpo ao vírus. Não tomar a segunda dose significa que sua proteção contra a doença não será ideal.

Segundo Sandra Pinheiro, diretora de Vigilância em Saúde, muitas pessoas ainda têm dúvida sobre se é possível ou não tomar as duas vacinas no mesmo dia. “Desde setembro do ano passado o Ministério da Saúde autoriza que essas vacinas [covid-19 e gripe] podem ser aplicadas juntas.

O que não é recomendado é que a vacina seja aplicada no mesmo local do corpo. Por exemplo: se uma imunização foi administrada no braço direito, a outra dose deve ser aplicada no braço esquerdo. A recomendação da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM) é procurar o médico caso haja alguma indisposição do organismo.

A vacinação simultânea consiste na administração de duas ou mais vaci- nas em diferentes locais ou vias. Todas as vacinas de uso rotineiro podem ser administradas simultaneamente, sem que isso interfira na resposta imunológica.

Poliomielite (paralisia infantil). Do que é feita: Vacina Oral Poliomielite (VOP) – É uma vacina oral atenuada bivalente, ou seja, composta pelos vírus da pólio tipos 1 e 3, vivos, mas “enfraquecidos”. Contém ainda cloreto de magnésio, estreptomicina, eritromicina, polissorbato 80, L-arginina e água destilada.