Quais eram as atividades econômicas dos Astecas?

Perguntado por: dmartins2 . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.6 / 5 7 votos . 14 colaboradores . 653 visualizações

A base da economia era a agricultura, seguida pelo artesanato e pelo comércio, que era intenso. Para aumentar o terreno, construíram as "chinampas", ilhas artificiais onde eram cultivados milho, o alimento básico e feijão, abóbora, tomate e cacau.

Na agricultura, cultivavam de mandioca, cacau, algodão, fumo e outras. Tinham também um sistema de irrigação muito avançado, com aquedutos e canais por onde transitavam barcos. Dentro do campo do conhecimento, os astecas não conheciam a roda, como todos os outros povos pré-colombianos.

A economia dos astecas tinha como principal atividade a agricultura. Cultivavam, principalmente, milho, cacau, pimenta, tomate, abóbora, mandioca, feijão e batata. Também cultivavam frutas como, por exemplo, abacaxi, maracujá e banana. Os astecas usavam técnicas agrícolas avançadas para a época.

A Economia no Império Asteca
Assim como maias e incas, os astecas tinham sua economia baseada na agricultura, com forte investimento na plantação de milho, algodão, feijão e pimenta.

Economia. A base da economia dos maias era a agricultura, mas também havia grande movimentação com o comércio que era realizado entre as cidades-estado. O comércio entre os maias não utilizava moeda, mas a troca de mercadorias, e os valores de cada produto variavam em cada cidade.

Para solucionar isso, os astecas criaram ilhas artificiais – as chinampas – que flutuavam sobre as águas do lago Texcoco e onde eram cultivadas as plantações. Essas ilhas eram construídas com o uso de material orgânico e possibilitaram a grande diversidade da alimentação asteca.

Economia inca
O alicerce da economia era a agricultura, desenvolvida especialmente na zona montanhosa dos Andes. Criavam a lhama, que servia para o transporte, a alpaca e a vicunha, das quais obtinham a lã e a carne. No litoral, as populações viviam principalmente da pesca.

Os astecas eram uma cultura mesoamericana que floresceu no centro do México no período pós-clássico, de 1300 a 1521. Os povos astecas incluíam diferentes grupos étnicos do México central, particularmente aqueles grupos que falavam a língua náuatle e dominaram grandes partes da Mesoamérica entre os séculos XIV ao XVI.

O milho constituía a base alimentar do povo asteca. Através do preparo dos grãos produziam panquecas que eram recheadas por grãos secos, pequenos insetos, girinos e peixes. Outro alimento bastante utilizado era o cacau de onde se extraía uma bebida chamada xocoalt, que mais tarde deu origem ao chocolate.

Após travar guerra contra os tepanecas, os astecas ganharam força, conquistando cidades vizinhas e cobrando-lhes impostos. Sobreviviam da agricultura, mas também realizavam comércio com outros povos e outras cidades. Sua religião era politeísta e tinha no sacrifício humano um ritual extremamente importante.

Os astecas eram politeístas, isto é, acreditavam em vários deuses. No início, a religião dos astecas era muito simples, mas foi se tornando mais complexa quando eles foram entrando em contato com outros povos vizinhos, dos quais foram incorporando novos elementos.

Eram politeístas e acreditavam que os sacrifícios humanos eram vitais para o funcionamento do Sol. Grande parte de seu sustento vinha da agricultura que era próspera por conta das chinampas, ilhas artificias construídas com material orgânico. Foram conquistados pelos espanhóis liderados por Hernán Cortés em 1521.

Nahuatl

Terraciano explica que o Nahuatl é considerado por muitos mexicanos como a língua do antigo México. “O Nahuatl ainda era a língua falada em boa parte do Vale do México no final do período colonial (1521-1821)”, ele explica.

Diferenças entre os Incas, Maias e Astecas
Nessa época, os maias dominavam a atual região sul do México, a Guatemala, El Salvador, Honduras e Belize. Já os Incas habitavam a região da Cordilheira dos Andes, na América do Sul, onde atualmente estão localizados o Peru, o Chile, o Equador e a Bolívia.

As civilizações inca, asteca e maia foram as mais desenvolvidas das Américas, do ponto de vista material. Também são chamadas de "pré-colombianas", pois se desenvolveram antes da chegada de Cristóvão Colombo à América, em 1492. Habitaram em territórios diferentes e, portanto, nunca conviveram.

Eles também tinham em comum centros políticos e religiosos: para os incas era Cuzco e Machu Picchu; para os astecas era Tenochtitlán e os maias possuiam Chichén Itzá, Tikal, Copán e Palenque.

Além do milho, a abóbora, o feijão, o tomate e várias raízes eram alimentos usualmente consumidos pelos maias. A culinária maia também apreciava o uso de temperos e especiarias. A baunilha, a pimenta e o orégano eram produtos utilizados no tempero dos alimentos.

Hortaliças, folhas e ervas. A dieta maia era constituída por vários tipos de hortaliças bem conhecidas hoje em dia, incluindo moranga, pimenta, pimentão, abóbora, inhame, mandioca, batata e batata-doce. Diversas folhas de plantas também eram utilizadas na culinária maia.

Quetzalcóatl

Quetzalcóatl é uma divindade das culturas de Mesoamérica, em especial da cultura asteca, também venerada pelos toltecas e maias. É considerada por alguns pesquisadores como a principal dentro do panteão desta cultura pré-hispânica.

Como atividades econômicas deste setor econômicos, podemos citar: comércio, educação, saúde, telecomunicações, serviços de informática, seguros, transporte, serviços de limpeza, serviços de alimentação, turismo, serviços bancários e administrativos, transportes, etc.