O que pode causar convulsão?

Perguntado por: lmarinho . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.8 / 5 9 votos . 8 colaboradores . 758 visualizações

Emoções intensas, exercícios vigorosos, determinados ruídos, músicas, odores ou luzes fortes podem funcionar como gatilhos das crises. Outras condições – febre alta, falta de sono, menstruação e estresse – também podem facilitar a instalação de convulsões, mas não são consideradas gatilhos.

Convulsão é a contratura involuntária da musculatura, que provoca movimentos desordenados. Geralmente é acompanhada pela perda da consciência. As convulsões acontecem quando há a excitação da camada externa do cérebro.

Convulsão é a contratura involuntária da musculatura, que provoca movimentos desordenados. Geralmente é acompanhada pela perda da consciência. As convulsões acontecem quando há a excitação da camada externa do cérebro.

Cerca de metade das epilepsias que ocorrem na infância desaparecem com o tempo e a maturidade cerebral. No entanto, na maioria dos casos não há cura, mas sim tratamento.

As “convulsõesemocionais são uma manifestação conversiva. Pessoas que não conseguem expressar seus sofrimentos por meio da fala os expressam por meio de sintomas orgânicos no próprio corpo. Algumas pessoas o fazem por meio de manifestações que imitam as convulsões da epilepsia .

Convulsões, ou crises convulsivas, acontecem frequentemente na prática clínica. Dados americanos estimam a ocorrência de crises convulsivas em cerca de 5% da população. É uma condição muito frequente, em todas as idades, especialmente em crianças nos primeiros anos de vida.

O que desencadeia a convulsão é a febre, independente da sua causa. A crise pode ser parcial (mais comum) ou complexa, inclusive com crises tônico-clônicas. A convulsão febril costuma ser mais demorada do que as crises nas epilepsias. Podem durar até 15 minutos.

Isso geralmente acontece em decorrência de uma crise convulsiva generalizada, que toma todo o cérebro e surge ao longo das horas de sono. Ter mais de três episódios convulsivos durante um ano já eleva o risco de morte súbita em mais de 50%.

A Morte Súbita Inesperada em Epilepsia (Sudden Unexpected Death in Epilepsy – SUDEP) ocorre quando uma pessoa com epilepsia morre inesperadamente, quando previamente se encontrava no seu estado habitual de saúde, e esta morte não é secundária a acidentes traumáticos ou asfixiantes, nem consequência de estado de mal ...

O paciente com epilepsia não pode ter uma vida normal
A epilepsia é uma condição que pode ter cura. E, mesmo quando a cura não é possível, as crises epilépticas podem ser bem controladas com o tratamento adequado. Nesses casos, é possível ter uma vida normal, podendo trabalhar, estudar, dirigir, praticar esportes etc.

De acordo com a medicina popular, o chá de valeriana acalma o sistema nervoso e, por isso, pode ajudar no controle das crises. Para fazer o chá é preciso 1 colher (sopa) de valeriana para cada copo de água filtrada. A água deve ser fervida e depois misturada à erva.

O valproato de sódio foi a melhor opção de todos os remédios para conseguir controle e remissão das convulsões tônico-clônicas generalizadas.

Alguns antidepressivos aumentam o risco de crises convulsivas, principalmente a bupropiona e a clomipramina. De qualquer sorte, o melhor exame para descartar uma epilepsia seria o Eletroencefalograma digital com fotoestimulação.

Aqueles que sofreram duas ou mais crises têm um risco de recorrência em dois anos de 70-80%. Convulsões sintomáticas agudas causadas por agente etiológico reversível têm risco de apenas 3% de recorrência.

“Existem duas formas de detectar uma convulsão. Em uma delas, é possível ler o sinal cerebral e perceber a assinatura elétrica que ocorre antes de ela acontecer. Outra forma é monitorar as convulsões por um determinado período e identificar um padrão.

As crises convulsivas podem ocorrer em intervalos variados, incluindo mais de uma vez ao dia. Sugiro que você fale com seu médico para que seu tratamento seja ajustado.

A ansiedade de forma isolada geralmente não causa a convulsão, mas por interferir no funcionamento e excitabilidade neuronal, a ansiedade/estresse intensos podem reduzir o limiar para a manifestação de crises convulsivas em indivíduos já predispostos para ter convulsões.

Dessa forma, estresse emocional não causa Epilepsia. Entretanto, em pacientes com Epilepsia, o estresse pode atuar como um gatilho, um desencadeador de crises. Em outras palavras, o estresse pode precipitar uma crise em indivíduos que tem epilepsia.

A diferença entre as crises parciais e generalizadas é o tipo de descarga elétrica excessiva no cérebro. Quando a descarga elétrica está limitada só a uma área cerebral, diz-se que a crise é parcial, se está em todo o cérebro, é generalizada. Ao todo há em torno de 30 tipos diferentes tipos de crises epilépticas.

A convulsão é apenas um tipo mais intenso de ataque epilético², no qual a pessoa perde os sentidos e se debate, podendo morder a língua e urinar na roupa². No entanto, existem crises mais fracas, caracterizadas por breves desligamentos, formigamentos ou contrações restritas a alguns grupos musculares².