O que impede o Brasil de não ter problemas com água?

Perguntado por: igouveia . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.1 / 5 2 votos . 7 colaboradores . 1192 visualizações

Uma das causas para a crise da água é de ordem natural, pois embora o Brasil seja o país com a maior quantidade de água per capita do mundo, a sua disponibilidade é má distribuída ao longo do território. A região Norte, que apresenta as menores densidades demográficas, possui cerca de 70% das reservas nacionais.

A distribuição da água no Brasil ocorre de maneira irregular, pois há localidades pouco povoadas e com muitas reservas e outras com uma relação inversa. São conhecidos os números da distribuição da água no mundo. Apenas 3% de todos os recursos hídricos existentes no planeta são de água doce própria para consumo.

O território brasileiro encontra-se privilegiado quando o assunto é a disponibilidade de água: 12% de toda a água doce disponível para consumo no planeta encontra-se no território brasileiro, que possui o maior rio do mundo em vazão – o Rio Amazonas – e também dois grandes e representativos aquíferos – o Guarani e o ...

Distribuição da água no Brasil. Como pode-se ver na tabela, a região Nordeste possui a menor concentração dos recursos hídricos do país, enquanto a região Norte possui a maior concentração de água e a menor densidade demográfica.

Dentre as estratégias para enfrentar a crise de água, destacam-se a dessalinização da água do mar, a transposição de rios, a água de reúso e a conscientização da população.

Existem várias causas para a falta de água no Brasil, as principais são: aumento do consumo de água, desperdício de água, diminuição do nível de chuvas.

Os especialistas apontam que uma das principais causas para a crise hídrica é o uso inadequado do solo. No Centro-Oeste, por exemplo, estão concentradas as nascentes de rios importantes do país, devido a sua localização no Planalto Central.

região Sudeste

A crise da água no Brasil ocorre em maior grau na região Sudeste e é motivada por fatores naturais e também relacionados com a gestão pública. O ano de 2014 representou um marco para o Brasil, sobretudo para a região Sudeste e, em menor grau, para as regiões Nordeste e Centro-Oeste.

O ranking do Aqueduct identifica essas áreas principais. Ele mostra que, no Brasil, regiões da Bahia, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte sofrem com níveis “extremamente altos” de risco de crise hídrica, um nível semelhante ao dos países do Oriente Médio.

Cerca de 12% da disponibilidade de água doce do planeta está em território brasileiro. Enquanto a Região Norte concentra aproximadamente 80% da água disponível, regiões próximas ao Oceano Atlântico possuem menos de 3% dos recursos hídricos do país.

A situação da água no Brasil é um pouco mais confortável que em outros países em termos de disponibilidade. O nosso país dispõe de 12% da água doce disponível mundialmente. E mesmo com toda essa abundância a população sofre, pois, a distribuição é feita de modo irregular.

Do total de água disponível no planeta, 97% estão nos mares e oceanos (água salgada) e apenas 3% são água doce. Dessa pequena porcentagem, pouco mais de 2% estão nas geleiras (em estado sólido) e, portanto, menos de 1% está disponível para consumo.

Portanto, a região Norte, que concentra menos de 7% da população, possui cerca de 68% das reservas hídricas do país, enquanto o Sudeste e o Nordeste, regiões mais populosas, apresentam apenas 6% e 3% das reservas, respectivamente.

As Américas, juntas, reúnem 41% de todos os recursos hídricos disponíveis, seguidas pela Ásia – maior e mais habitado continente – com 30%, pela África com 10%, depois a Europa com 7%, a Oceania com 5% e a Antártida com 5%.

As áreas com maior concentração de água doce renovável na Terra incluem as bacias hidrográficas dos rios Amazonas e Orinoco (15% do escoamento total da Terra), na América do Sul, a bacia hidrográfica do rio Yangtze, na zona este da Ásia, a zona sul e sudeste asiática (18% do escoamento total da Terra), incluindo as ...

10 medidas que o governo precisa tomar para garantir água aos pobres na pandemia. Em época de pandemia de coronavírus (Covid 19) a máxima atenção deve ser dedicada à higiene pessoal, principalmente lavar as mãos várias vezes ao dia, sem deixar de lado a limpeza de roupas, louças e o ambiente familiar.

Crise hídrica é como tem sido chamada a falta de água para abastecimento humano em grandes cidades brasileiras, principalmente na Região Metropolitana de São Paulo, entre 2013 e 2015, e no Distrito Federal, desde o final de 2016 até o presente.

Quando bancos, instituições financeiras e empresas têm expectativas ruins de crescimento econômico e retorno de seus investimentos, acabam aplicando menos na atividade comercial e financeira. Isso contribui para a crise e agrava seus sintomas no país, pois são os investimentos que geram novos empregos e crescimento.

Além disso, segundo uma pesquisa sobre olhares da bioética ambiental, as crises hídricas afetam tanto o meio ambiente como as populações mais vulneráveis, resultando na desertificação e na perda de biodiversidade; em impactos na oferta de trabalho e na estabilidade das populações humanas.

Principais causas: crescimento populacional, poluição das águas, desperdício na distribuição e no uso, e mudanças climáticas. Menos de 1% da água de todo planeta é doce e está disponível para o consumo humano. Não ajuda também a poluição de mananciais.