Em que medida a revolução industrial alienou o operário do valor da riqueza por ele produzida?

Perguntado por: ebarbosa6 . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.6 / 5 6 votos . 9 colaboradores . 1473 visualizações

Em que medida a Revolução Industrial alienou o operário do valor da riqueza por ele produzida? Na medida em que as máquinas se desenvolveram, observamos que o operário se especializou em uma função única de todo o processo de produção.

A Revolução Industrial foi o período de grande desenvolvimento tecnológico que teve início na Inglaterra a partir da segunda metade do século XVIII e que se espalhou pelo mundo, causando grandes transformações. Ela garantiu o surgimento da indústria e consolidou o processo de formação do capitalismo.

A principal característica da Primeira Revolução Industrial é a substituição da manufatura pela maquinofatura. Surgiram as indústrias, desenvolvendo-se especialmente a indústria têxtil cuja produtividade aumentou devido à inserção das máquinas de fiar, o tear mecânico e a máquina a vapor.

As principais delas são a urbanização, o crescimento demográfico e o surgimento do operariado, com a exploração do trabalho. Além disso, ocorreu uma mudança da noção de tempo.

Foi um acontecimento extremamente importante para a humanidade, pois mudou o processo produtivo, ou seja, os produtos deixaram de ser manufaturados e passaram a ser maquino faturados, o permitiu uma produção em massa, permitindo assim colocar mais e mais produtos no mercado e a preços muito mais atrativos.

A Revolução industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceram na Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas.

O processo de Revolução Industrial aconteceu de maneira pioneira na Inglaterra. De sua primeira fase, destaca-se o uso da máquina a vapor, construída inicialmente por Thomas Newcomen em 1698 e aperfeiçoada por James Watt em 1765.

A Primeira Revolução Industrial ocorreu em meados do século XVIII e do século XIX. Sua principal característica foi o surgimento da mecanização que operou significativas transformações em quase todos os setores da vida humana.

Embora tardia, os efeitos da Revolução Industrial no Brasil foram positivas em muitos aspectos: - Diminuição da dependência da importação de produtos manufaturados. - Aumento da produção com diminuição de custos, barateando o preço final dos produtos. - Geração de empregos na indústria.

A principal característica dessa fase é a automatização total das fábricas por meio dos sistemas ciberfísicos, marcados pela introdução de nanotecnologia, neurotecnologia, inteligência artificial, robôs, impressão 3D, biotecnologia e outras tecnologias jamais vistas.

Após a Revolução Industrial ocorreu um aumento extraordinário da produção. Isso aconteceu da seguinte forma: o que era feito artesanalmente, notavelmente os bens de consumo, começou a chegar à economia a partir da maquinofatura, o que levou bens industrializados à população, em escala muito maior.

uma melhoria das condições de trabalho nas fábricas, com a redução da jornada de trabalho. a garantia de emprego a todos os assalariados. a constituição de uma classe de assalariados que possuía como fonte de subsistência a venda de seu trabalho.

Os impactos causados pela revolução, principalmente na primeira e na segunda parte, foram os mais variados, como a abertura de buracos na camada de ozônio, a extinção de biomas, o derretimento de geleiras, a poluição de recursos hídricos e do solo, as mudanças climáticas, entre outros tantos.

A Primeira Revolução Industrial foi gerada pela Revolução Comercial que ocorreu na Europa entre os séculos XV e meados do século XVIII. A expansão do comércio internacional e o aumento da riqueza permitiram o financiamento do progresso técnico e a instalação de indústrias.

A primeira fase da revolução industrial (1760-1860) acontece na Inglaterra. O pioneirismo se deve a vários fatores, como o acúmulo de capitais e grandes reservas de carvão. Com seu poderio naval, abre mercados na África, Índia e nas américas para exportar produtos industrializados e importar matérias-primas.

Alguns dos principais acontecimentos desse período foram a surgimento de novos setores da indústria, assim como sua expansão, o uso de novas fontes de energia, o desenvolvimento tecnológico (telégrafo, telefone, lâmpada elétrica e outros) e a revolução dos transportes (invenção do automóvel e avião, por exemplo).

A Revolução Industrial possibilitou o avanço do poderio burguês em meio ao já estabelecido poder aristocrático. Com o avanço nas tecnologias de produção, o lucro pode ser aumentado, contribuindo, assim para o fortalecimento da classe.

As consequências da Revolução Industrial foram a formação da classe operária, urbanização, produtos mais baratos, aumento dos danos ambientais, entre outros.

Está dividida em três fases: Primeira Revolução Industrial, Segunda Revolução Industrial e Terceira Revolução Industrial.

A Terceira Revolução Industrial, chamada também de Revolução Informacional, começou em meados do século XX, momento em que a eletrônica aparece como verdadeira modernização da indústria. Isso aconteceu após a segunda guerra mundial (1939-1945) e abrange o período que vai de 1950 e até a atualidade.