Em que judeus acreditam?

Perguntado por: adinis4 . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.8 / 5 9 votos . 3 colaboradores . 1116 visualizações

Surgido da religião mosaica, o judaísmo, apesar de suas ramificações, defende um conjunto de doutrinas que o distingue: a crença em YHWH como criador e Deus e a eleição de Israel como povo escolhido para receber a revelação da Torá, que seriam os mandamentos deste Deus.

"Os cristãos acreditam que Jesus é o Messias. Ele já veio e, um dia, voltará. Nós, judeus, reconhecemos que Jesus foi um rabino que disseminou uma mensagem muito positiva de amor e respeito ao próximo, mas não o consideramos o Messias. Para nós, o Messias ainda não chegou", esclarece o rabino Michel Schlesinger.

Na tradição judaica, a morte é vista com tristeza, mas não com aflição. Assim, seus rituais fúnebres incluem uma série de tradições, que existem para prestigiar o falecido e também para confortar a família.

A história judaica começou há cerca de quatro mil anos (cerca do século XVII AEC) com os patriarcas: Abraão, seu filho Isaac e seu neto Jacó. Documentos encontrados na Mesopotâmia, datados de 2000 a 1500 AEC, confirmam aspectos de sua vida nômade, tal como descrito na Bíblia.

Devido ao terceiro mandamento (Não tomarás em vão o nome de YHWH), os judeus usam um apóstrofo nos nomes divinos mais sagrados, de forma a que o nome da divindade não venha a ser profanado por estar escrito em algum objeto comum.

O que é Jeová:
Jeová, também chamado de Javé, é o nome de Deus na Bíblia hebraica, e é um termo de origem do hebraico. Os judeus não reconhecem mais o termo, e evitam inclusive utilizá-lo, e atualmente Jeová é ligado a uma outra religião, conhecidos como Testemunhas de Jeová.

Ainda hoje o judaísmo prega que o Messias trará uma libertação política, social e econômica, muito semelhante a Moisés e a Davi. Os cristãos, por outro lado, entendem que o Messias já veio na figura de Jesus.

Assim, judaísmo e cristianismo, antes de serem entidades mutuamente excludentes, comporiam um sistema circulatório, no qual práticas e concepções seriam compartilhadas em maior ou menor grau, podendo mover-se livremente em todas as direções.

Assim, esta palavra tem uma conotação religiosa, espiritual, referindo-se ao não cumprimento dos desígnios de Deus, à violação de suas Revelações. Os judeus sempre viram a transgressão de qualquer um dos mandamentos sagrados como um pecado.

Orações fúnebres são recitadas em hebraico. Em seguida, sete parentes enlutados rasgam um pedaço da própria roupa em alusão ao coração dilacerado pela perda.

Na Inglaterra da era vitoriana, quando um morto era velado antes de ser levado ao cemitério, todos os espelhos da casa eram cobertos com tecidos - acreditava-se que a alma da pessoa morta poderia ficar presa nos espelhos.

Neste caso, os judeus devem seguir a Torá e os gentios, as chamadas “7 Leis Noéticas”, uma aliança feita entre Deus e Noé após o dilúvio.

Elas ficam liberadas de cumprir os preceitos divinos, mas permanecem subordinadas - em tempo e ações - ao marido, o lar, as crianças. Elas são donas da casa, eles são donos delas. De fato, até em hebraico a palavra "marido" é baal, que significa "dono, patrão, proprietário e donos do mundo."

Um judeu deve rezar três vezes ao dia: de manhã, à tarde e à noite. Pode fazê-lo sozinho ou em grupo. Sempre que o faz coletivamente aqui, na sinagoga, é obrigatório ter um Minian (contagem em hebraico), um quórum de dez ou mais homens judeus de maior idade, para ter um serviço religioso completo.

Após o livro de Êxodo, no livro bíblico de 1 Samuel, Deus é conhecido pelo nome de Yahweh Teva-ot, ou "Ele traz as hostes à existência", as hostes possivelmente se referem à corte celestial ou a Israel. O nome pessoal de Deus provavelmente era conhecido muito antes da época de Moisés.

Adonai, El Shadai, Elohim Shabaot, Adonai Shabaot, Elohá, El, Ehieh, Iah: existem, de acordo com as tradições místicas judaicas, diversos nomes para Deus.

Yeshua

O nome que se refere a Jesus, o Salvador, aparece escrito na Bíblia ora como Yeshua, ora como Yehoshua.

Javé e Jeová são nomes dados para Deus na bíblia sagrada, de acordo com a tradução derivada do hebraico. Atualmente, Javé é adotado por algumas religiões como "nome de Deus", principalmente pelos católicos. Jeová, por sua vez, é mais usado pelos seguidores da doutrina evangélica ou pela Testemunha de Jeová.

De acordo com este texto, Jeová quer que nos livremos da velha personalidade e tudo o que isso implica, ele quer que nos livremos dessa velha personalidade para sempre.

Os judeus não comem carne de porco, cavalo, camelo, coelho, caranguejo, lagosta e camarão. Na verdade, à exceção de peixes com escamas, nenhum fruto do mar é permitido. Há também a proibição de misturar leite e carne. Devendo haver um espaço de seis horas entre os alimentos de uma origem.