Em que consiste o socioconstrutivismo?

Perguntado por: ymodesto . Última atualização: 15 de julho de 2022
4.5 / 5 15 votos . 7 colaboradores . 886 visualizações

O sócio-construtivismo é uma teoria que vem se desenvolvendo, com base nos estudos de Vygotsky e seus seguidores, sobre o efeito da interação social, da linguagem e da cultura na origem e na evolução do psiquismo humano.

O socioconstrutivismo consiste em: abordagem teórica desenvolvida a partir dos estudos de Vygotsky. captar o desenvolvimento das estruturas mentais e buscar meios de promover qualidade mediante a assimilação da aprendizagem.

A aprendizagem, para o Sociocontrutivismo, acontece em meio a uma relação dialética entre o sujeito e o contexto social. Dessa maneira, o ambiente modifica o sujeito tanto quanto é modificado por ele. Assim, todo aprendizado é mediado pela interação entre sujeito, educador e contexto social.

Aos educadores interessa em particular os estudos sobre desenvolvimento intelectual. Vygotsky atribuía um papel preponderante às relações sociais nesse processo, tanto que a corrente pedagógica que se originou de seu pensamento é chamada de socioconstrutivismo ou sociointeracionismo.

Foi criado por Jean Piaget através de sua teoria do desenvolvimento cognitivo. Ele também acreditava que as crianças deveriam desenvolver um conhecimento do mundo para elas próprias.

Vygotsky entende o homem e seu desenvolvimento numa perspectiva sociocultural, ou seja, percebe que o homem se constitui na interação com o meio em que está inserido (RESENDE, 2009). Por isso, sua teoria ganhou o nome de socioconstrutivismo, sendo também denominada sociointeracionismo.

Informalmente o processo educacional ocorre no cotidiano das pessoas e nas relações humanas; essa ação cotidiana e informal refere-se à troca de experiência e à manutenção de valores da sociedade ou de um grupo dentro da sociedade.

Na verdade, tanto Vygotsky como Piaget partilham a visão construtivista, assente na ideia de que a única aprendizagem significativa é a que ocorre através da interacção entre o sujeito, o objecto e outros sujeitos (colegas ou professores).

Vem de Piaget a idéia de que o aprendizado é construído pelo aluno e é sua teoria que inaugura a corrente construtivista. Educar, para Piaget, é "provocar a atividade" - isto é, estimular a procura do conhecimento. "O professor não deve pensar no que a criança é, mas no que ela pode se tornar", diz Lino de Macedo.

As teorias de ensino e aprendizagem oferecem vasto ferramental para professores e alunos durante a construção do conhecimento em sala de aula, e o objetivo, ao elencá-las neste trabalho, é o de formar a base a partir da qual podemos medir as preferências dos alunos.

Conhecida como socioconstrutivismo ou sociointeracionismo, sua teoria destaca a influência do meio, das escolas e dos educadores no processo de aprendizagem das crianças. Ainda que seja um dos maiores expoentes da educação, dono de uma obra extensa e complexa, Vygotsky viveu apenas 37 anos.

A proposta sociointeracionista ressalta a importância da interação do sujeito com o meio em que vive. O indivíduo forma o conhecimento por meio da interação com outras pessoas, em processo histórico, cultural e social pelo qual passa durante toda a vida.

O sociointeracionismo é uma concepção que prioriza a análise dos reflexos do mundo exterior no interior dos indivíduos, por meio da interação deles com a realidade. Ou seja, trata da dimensão sociocultural do estudante, valorizando o contexto histórico, social e cultural em que está inserido.

“Trata-se de uma formação baseada na interação entre o indivíduo com o outro e com o meio, portanto, aponta que fatores orgânicos e ambientais influenciam de alguma forma o desenvolvimento humano, inclusive o educacional.”

A gestão de processos educacionais, ou processos educativos, consiste em garantir que tudo na instituição flua da melhor maneira possível através dos recursos disponíveis para tal. Por quê? Para os alunos possam de fato aprender. Um bom exemplo disso é o setor financeiro da instituição.

São agentes sociais envolvidos no processo educativo os professores, os administradores escolares, os funcionários diversos da escola, as famílias e agentes da sociedade civil (como ONGs e igrejas) que desejem participar de maneira mais ativa da educação.

O processo ensino-aprendizagem é um nome para um complexo sistema de interações comportamentais entre professores e alunos. Mais do que “ensino” e “aprendizagem”, como se fossem processos independentes da ação humana, há os processos comportamentais que recebem o nome de “ensinar” e de “aprender”.

Importantes estudos das áreas da neurociência e neuropsicopedagogia apontaram para as relações entre os aspectos cognitivos, afetivos e sociais e a aprendizagem. Essas investigações envolvem o estudo do desenvolvimento de variadas funções cerebrais responsáveis pelos processos de aprendizagem.

Resumindo, para a teoria vygotskiana, o desenvolvimento ocorre em função da aprendizagem, ao contrário do pensamento de Piaget que assegura ser a aprendizagem uma conseqüência do desenvolvimento. Ex: interação e troca com outras crianças e do adulto como modelo.

A aprendizagem dos alunos vai sendo assim construída mediante processo de relação do indivíduo com seu ambiente sócio-cultural e com o suporte de outros indivíduos mais experientes. É na zona de desenvolvimento proximal (ZDP) que a interferência desses outros indivíduos é mais transformador.