Como Karl Marx determina o valor de uso ao falar sobre mais-valia?

Perguntado por: oourique . Última atualização: 16 de julho de 2022
4.5 / 5 10 votos . 12 colaboradores . 883 visualizações

Marx determina que o valor de uso de uma mercadoria é determinado de acordo com os custos da matéria-prima utilizada na produção de um produto e o valor agregado pelo trabalho utilizado em sua transformação.

Para Marx, todo produto criado pelo trabalho humano tem valor de uso e valor de troca no capitalismo. Uma casa, uma televisão, a comida, um livro, tudo isso tem um valor de uso e valor de troca. O valor de uso é definido pela capacidade de satisfazer necessidades humanas.

A acepção da mais-valia está associada à exploração da mão de obra assalariada, em que o capitalista recolhe o excedente da produção do trabalhador como lucro.

Marx tipificou duas formas de mais-valia: a absoluta e a relativa.

As duas mais-valias conferem lucro aos empregadores através de formas diferentes: a mais-valia absoluta através da extensão das horas de trabalho (mantendo o mesmo salário), enquanto a mais-valia relativa reduz o valor da força de trabalho.

A teoria do valor-utilidade é uma conceção subjetiva do valor utilizada na teoria neoclássica. Segundo esta, o valor das mercadorias tem origem na satisfação que elas proporcionam aos consumidores.

O trabalho que cria valores de uso é uma condição natural da existência humana, que existe independente das formas de organização social, enquanto o trabalho que cria valores de troca é uma forma social.

O valor de uso de uma mercadoria, segundo Marx, é determinado de acordo com a utilidade relacionada às suas propriedades físicas; e seu valor de troca varia no tempo e espaço.

Questão 04 - CEPS-UFPA - 2018 - UNIFESSPA - Quanto ao conceito de alienação na sociedade capitalista, proposto por Karl Marx, é correto afirmar: (A) As pessoas têm consciência das desigualdades sociais e compreendem suas causas, só não dispõem de meios concretos para mudá-las.

É a constatação básica de que o trabalhador está alienado em relação ao produto de seu trabalho que gera a revolta de classe, cerne da revolução em massa. Construir as próprias ferramentas é exercer uma dominação impossível a qualquer outro animal, o que já elimina para o homem a possibilidade de total alienação.

Utilidade, como conceito em Economia, mensura o grau de satisfação obtido com um comportamento ou aquisição. É um conceito econômico atribuído, em geral, à satisfação pelo consumo de bens e serviços.

é uma função utilidade se atribui a cada elemento de X (que é o domínio da função) um valor numérico, o que permite ordenar os elementos de X de acordo com as preferências do agente.

Em última análise, a teoria do valor-trabalho explica o exceden- te possível e explica por que o excedente real tende a se aproximar de possível. A teoria do valor-utilidade tenta explicar a motivação huma- na, tenta explicar por que A poupa mais que B, por que alguns indiví- duos são estimulados a poupar e outros não.

Desse ponto de vista, o valor do trabalho está relacionado ao fato dele ser o principal organizador temporal da vida. É ele que confere status ao indivíduo, reconhecimento e identificação. É, também, por meio do papel profissional que se tem acesso à rede de relacionamentos.

O valor de seu trabalho é variável em razão da lógica da oferta e procura, portanto, sua vida, sua existência física é um estoque de mercadoria. As qualidades humanas do trabalhador só existem em “proveito do capital que lhe é estranho e por isso, relacionados de maneira acidental e exterior”.

Resolução. a) O “valor de uso” remete à utilidade de uma mercadoria para as pessoas e está associado às propriedades físicas, concretas, tangíveis do objeto. Já o “valor simbólico” se vincula ao que esse bem representa, o que implica um julgamento de valor, de natureza abstrata.

O valor de não uso ou valor de existência esta relacionado à preservação de riquezas naturais, não considerando o uso atual ou futuro para o indivíduo e que reflete questões morais, culturais, éticas ou altruístas (MOTA et al., 2010; SEROA DA MOTA, 1998, 2006).

e) É a diferença entre o valor da força de trabalho e o valor do produto do trabalho, sem a qual não existiria o capitalismo. Letra “e”. A mais-valia é o termo utilizado por Karl Marx em referência ao processo de exploração da mão de obra assalariada que é utilizada na produção de mercadorias.

1.3: O Papel da Teoria do Valor em Smith
Esta teoria nos diz que o valor das mercadorias equivale à quantidade de trabalho que esta possa comprar ou comandar. O valor determina o preço natural de cada mercadoria e seu preço real.

Com base no materialismo histórico de Karl Marx, o estudo da sociedade deve ter como ponto de partida (A) uma ideia ou conceito previamente fixado pelo pesquisador. (B) o entendimento das intenções subjetivas dos atores sociais. (C) as ideias da classe dominante e sua relação de dominação com a sociedade.